4 dicas para emagreceres sem dietas para perder peso.

Há uns dias atrás fiz esta espécie de “scones” sem querer.

E ficaram bastante bons, na realidade. Mas não era de todo o meu objectivo inicial.

Vou contar-te o que aconteceu.

Queria fazer panquecas para o lanche. O pequeno gosta e nós também, por isso, ideia perfeita!

Peguei na receita que costumo usar (adaptei a receita há uns tempos e sigo-a certinha com as substituições que decidi fazer) e da qual saem umas panquecas fenomenais. Quando estava a preparar e a colocar os ingredientes na bancada da cozinha, apercebi-me de que não tinha a farinha que é hábito eu utilizar.

Então, parei, foquei-me no que queria fazer [as panquecas deliciosas! :)] e pensei nas possibilidades que tinha. Não fazê-las de todo não era opção, então passei para a questão seguinte: O que tenho no armário que pode ser utilizado?

Encontrei uma farinha que nunca tinha usado e que tinha a imagem de um pão na embalagem. Pensei: Não há-de ficar mal. Vamos lá adaptar.

E a partir daí, fiz tudo como de costume.

Notei que a massa estava diferente, mas estava a correr bem, então continuei.

Resultado: Ficaram uns scones primos de panquecas. 🙂 Fofinhos e deliciosos. 

E porque é que te conto tudo isto?

Porque retirei vários insights de toda esta situação e relacionei-os com um processo de emagrecimento:

  • Se funcionou antes, repete. Provavelmente vai funcionar de novo.
  • Se não funcionou antes e tu sabes que provavelmente não vai funcionar outra vez, porque vais repetir?
  • Está tudo bem em experimentar, em fazer diferente. Voltar a fazer da mesma maneira que não funcionou anteriormente é que provavelmente não te vai trazer resultados diferentes.
  • Às vezes mudar apenas uma variável no processo pode ser o suficiente para teres um resultado diferente.

Desconstruindo um pouco cada um destes insights:

“Se funcionou antes, repete. Provavelmente vai funcionar de novo.”

  • Vou pegar no exemplo do exercício físico, que é um tema que é abordado várias vezes nas sessões com as minhas Clientes.

Se praticar exercício físico já funcionou para ti anteriormente mas neste momento não o fazes, o que te está a impedir? 

A falta de tempo? 

Quando colocares como prioridade na tua agenda, vais conseguir fazer acontecer. 

Para isso, percebe que actividades e/ou tarefas não são assim tão importantes na tua agenda actualmente e reduz o tempo que dedicas a elas. Com isso vai sobrar-te um espacinho que podes utilizar para colocar a prática de exercício físico.

A falta de motivação?

Escolhe uma prática que te dê prazer, que te dê energia, que te dê vontade de fazer. Se não gostares minimamente do que fazes, não vai ser duradouro no tempo e vai ser mais difícil manteres a prática de exercício físico na tua vida. Depois de decidires o que queres fazer, começa com um curto período de tempo (alguns minutos) num dia por semana. Porquê começares assim? Para não ser uma mudança brusca. Para dares tempo à tua mente e ao teu corpo de se adaptarem a uma nova rotina. O mais importante é conseguires estar tranquila com o tempo que dedicas ao teu exercício e a ti mesma. E ao mesmo tempo, conseguires ser consistente vai ajudar-te a enraizar esse comportamento e a médio/longo-prazo, torná-lo um hábito.

Não te apetecer fazer exercício?

Pergunta-te porque é que isso acontece. Porque é que não te apetece? Que pensamentos te surgem quando pensas em exercício? O que é que sentes quando pensas neste tema? De onde vem tudo isso? 

Também te podes perguntar: O que é que ganhas se fizeres exercício físico? Como te vais sentir? O que te vai trazer de bom? Que impacto vai ter na tua vida? Que impacto vai ter no teu emagrecimento? O que é que perdes se fizeres exercício físico? Como te vais sentir se não o fizeres? Que impacto vai ter na tua vida? Que impacto vai ter no teu emagrecimento?

Estas questões vão ajudar-te a ter mais clareza do que realmente se passa e vão ajudar-te a tomar uma decisão e a avançar em direcção ao que queres para ti, para a tua vida e para o teu processo de emagrecimento.

“Se não funcionou antes e tu sabes que provavelmente não vai funcionar outra vez, porque vais repetir?”

  • Para este insight, vou falar-te das dietas restritivas. Se anteriormente já fizeste dietas para perder peso onde não podias comer este ou aquele alimento, em que havia alimentos que eram “proibidos”, em que tinhas limitações nas quantidades de alimentos que podias comer, vais perceber perfeitamente do que te falo. De cada vez que houve uma “proibição” alimentar numa das dietas para perder peso que fizeste, o que aconteceu? Conseguiste manter essa “proibição” durante um período de tempo mas depois começaste a entrar em desespero? Notaste que o desejo por aquele alimento disparou? De cada vez que surgiu oportunidade de comer aquele alimento, nem pensaste duas vezes e devoraste tudo o que podias porque “também é só hoje, amanhã volto à dieta”?

Consegues perceber que a restrição alimentar nunca vai funcionar para perderes peso a longo prazo e vai fazer com que tenhas episódios como alguns dos exemplos de que te falei aqui? Estes episódios vão fazer-te entrar num ciclo de dieta para perder peso atrás de dieta para perder peso, porque não vais conseguir manter estas “proibições” durante toda a tua vida e o resultado vão ser oscilações de peso contínuas e desmotivação constante para cuidares de ti e do teu bem-estar. Experimenta trocar todas estas “proibições” alimentares por decisões. Pára, respira, pensa no que queres conquistar e decide. Decide o que é benéfico para ti a longo prazo. Decide o que queres fazer a cada momento, com consciência e de forma alinhada com os teus objectivos. Ao empoderares-te com estas decisões vais deixar de ser refém da comida e viver muito mais leve e tranquila.

“Está tudo bem em experimentar, em fazer diferente. Voltar a fazer da mesma maneira que não funcionou anteriormente é que provavelmente não te vai trazer resultados diferentes.”

  • Fazer experiências nem sempre é fácil. É simples, mas nem sempre é fácil. Porque experimentar implica fazer diferente do que tens feito até agora. Implica saíres da tua zona de conforto. Implica largares o ambiente interno e externo que já conheces e partir à aventura [mesmo que seja uma aventura pequenina :)] e isso mexe um bocadinho contigo. Não é? Sabes porque é que isso acontece? Porque estás a entrar na tua zona de desafio. Estás a dar um passo para o desconhecido. E pode ser assustador, mas a verdade é que só nessa zona é que as coisas acontecem: o crescimento, a evolução, as conquistas. Por isso entende que enquanto te mantiveres na tua zona de conforto, vais ficar estagnada e os resultados vão ser sempre os mesmos também. Está tudo bem se não é o momento para fazeres diferente, se sentes que não tens uma rede que te proteja, se não te sentes confiante. Mas pergunta-te se todas essas “desculpas” da tua mente são verdade. É real aquilo que estás a pensar ou a tua mente está apenas a querer proteger-te e a impedir-te de avançar em direcção ao que queres para ti? Pensa nisto.

“Às vezes mudar apenas uma variável no processo pode ser o suficiente para teres um resultado diferente.”

  • Neste insight deixo-te apenas uma questão: Que coisa, por mais pequenina que seja, queres mudar na tua vida para teres um resultado diferente daquele que tens tido até agora?

Quem diria que uns scones trariam estes insights, não é? 🙂

Espero que tenham feito sentido para ti e que te ajudem de alguma maneira.

Mais sobre como teres tempo aqui.

Mais sobre como teres motivação aqui.

Mais sobre quando os teus pensamentos te impedem de avançar aqui.

Se sentes que precisas de orientação para aprofundar ainda mais todas estas questões, vê como podes trabalhar comigo aqui.

Um beijinho,

Mónica.

No Comments

Post A Comment